4.05.2010

O SEGREDO DA CORAGEM

O segredo da coragem é admitir, simples e sinceramente, seus sentimentos
de fracasso - depois, com a ajuda de Deus, ir e fazer o seu trabalho apesar deles.
Este procedimento manterá o medo sob controle.
Maurice Chevalier foi o maior artista de sua época. Certa noite, na metade
da carreira, antes de entrar no palco ele sentiu-se extremamente atordoado; seu
cérebro parecia queimar. Tentou desesperadamente controlar-se, mas a mente
entrou em pânico. Sentiu-se irremediavelmente perdido.
Seus companheiros de cena o substituíram naquela noite e durante várias
semanas; mas a facilidade e o garbo com que atuava e que eram a sua marca
registrada se foram. Ele hesitava, gaguejava. O fracasso chegara pela primeira
vez à vida do grande ator.
Obrigado a repousar, Maurice Chevalier ficou sob os cuidados do Dr.
Robert Dubois no sul da França.
- Sou um homem derrotado. Tenho medo de ser um fracasso. Não há mais
futuro para mim - disse ele ao médico.
Foi aconselhado a fazer longos passeios para restaurar seu sistema nervoso
danificado. Todavia, o tormento interior não o abandonou. Ele perdera toda a
confiança e tinha medo, muito medo.
Depois de algum tempo, o médico sugeriu que representasse diante de um
pequeno grupo no salão da cidade.
- Mas - declarou Maurice -, fico aterrorizado com a idéia. Como posso ter
certeza de que minha mente não vai falhar?
O médico respondeu lentamente:
- Não há garantias, mas você não deve temer o fracasso. Você teme voltar
ao palco e por isso diz a si mesmo que está vencido. Mas o medo não é jamais
uma razão para desistir: é apenas uma desculpa. Quando um homem corajoso
encontra o medo ele admite isso, e continua apesar dele.
Maurice sofreu verdadeira agonia de medo antes de sua volta ao palco
naquela cidadezinha. Mas, não desistiu e atuou muito bem. Sentiu-se transbordar
de alegria. “Eu sabia que não tinha conquistado o medo. Simplesmente o
admitira e continuara apesar dele; e o esquema funcionou.”
A partir daquela noite, Maurice Chevalier representou diante de audiências
em toda parte. “Houve muitos momentos de medo”, confessou ele. “O amável
médico tinha razão; não há garantias. Mas o fato de ter medo nunca mais me fez
desejar desistir.”
E continuou:
“A experiência me ensinou isto. Se aguardarmos o momento perfeito em
que tudo esteja seguro e assegurado, ele talvez não chegue nunca. Montanhas não
serão escaladas, corridas não serão vencidas, ou a felicidade duradoura não será
alcançada.”
Não tenha então medo de ter medo. Admita honestamente o seu
sentimento e depois aja como se ele não existisse - e, com a ajuda de Deus,
prossiga e faça o seu trabalho, esquecendo totalmente o medo.
(Do livro: Seis Atitudes Para um Vencedor -
NORMAN VINCENT PEALE)

AddThis

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...